Discalculia

O termo discalculia deriva de acalculia, o qual descreve um transtorno adquirido da habilidade para realizar operações matemáticas, depois de estas se terem desenvolvido e consolidado.

Contrariamente à acalculia, a discalculia encontra-se sobretudo em crianças, é de carácter evolutivo ou desenvolvimental, não resulta de uma lesão e associa-se sobretudo a dificuldades de matemática.

É uma perturbação que se manifesta na dificuldade de aprendizagem do cálculo. Esta dificuldade pode-se manifestar em vários níveis da aprendizagem. Assim, podemos encontrar dificuldades ao nível da leitura, escrita e compreensão de números ou símbolos, compreensão de conceitos e regras matemáticas, memorização de factos ou conceitos ou no raciocínio abstracto. Podem ainda estar associadas dificuldades em aprender a ver as horas ou lidar com o dinheiro.

Sinais indicadores:

  • Dificuldades na identificação de números (visual e auditiva).
  • Incapacidade para estabelecer uma correspondência recíproca (contar objectos e associar um numeral a cada um).
  • Escassa habilidade para contar.
  • Dificuldade na compreensão de conjuntos.
  • Dificuldade na compreensão de quantidade.
  • Dificuldade em entender o valor segundo a habituação de um número.
  • Dificuldades nos cálculos.
  • Dificuldades na compreensão do conceito de medida.
  • Dificuldade para aprender a dizer a hora.
  • Dificuldade na compreensão do valor das moedas.
  • Dificuldade de compreensão da linguagem matemática e dos símbolos.
  • Dificuldade em resolver problemas orais.

Problemas associados:

  • Deficiente organização visuo-espacial e integração não verbal: não conseguem distinguir rapidamente as diferenças entre formas, tamanhos, quantidades e comprimentos.
  • Dificuldade em observar grupos de objectos e dizer qual deles contém uma maior quantidade de elementos, em calcular distâncias e em fazer julgamentos de organização visuo-espacial.
  • Distúrbio ao nível da imagem corporal.
  • Distúrbios de integração visuo-motora.
  • Desorientação: dificuldade na distinção esquerda-direita.
  • Dificuldades na percepção social e na realização de julgamentos: maturidade social reduzida.
  • Desempenhos em testes de inteligência, superiores nas funções verbais comparativamente às funções não verbais.

O que pode fazer:

  • Usar cartas de jogar em jogos de cartas simples como o "peixinho": mostrar como se poderá atribuir valores às cartas pela contagem dos símbolos. Para evitar confusões retirar as cartas de figuras, utilizando apenas as de 2 a 10.
  • Jogos de tabuleiro são excelentes para aprender os números, solicitando a contagem dos espaços a mover em cada volta. Podem ser introduzidas algumas referências à adição ou à subtracção no decorrer do jogo.
  • Utilizar ou inventar "cantigas e lengalengas com números". Muitas crianças podem aprender conceitos matemáticos mais rápidamente (e recordarem por mais tempo) quando a música, rima e ritmo são utilizados para os ensinar.
  • Encorajar a criança a utilizar os números diariamente:
    • Contar os produtos no supermercado.
    • Contar por ordem decrescente.
    • "Quantas rodas tem o teu carrinho de brincar?"; "Quantas rodas tem a tua bicicleta?"; "Qual dos dois tem mais rodas?"
    • "Que idade tens?"; "Que idade tem o teu irmão ou irmã?"; "qual é o mais velho?"; "Qual é a diferença de idade entre os dois?"
    • "Quantos amigos vais convidar para a tua festa de aniversário?"; "Quantas fatias de bolo devem ser cortadas?"; "E se cada menino ficar com duas fatias?"